Físicos sugerem baterias quânticas como a fonte de energia perfeita

Os físicos teóricos Robert Alicki, da Universidade de Gdansk, na Polônia, e Mark Fannes, da Universidade de Leuven, na Bélgica, propõem que as baterias das próximas gerações de eletrônicos funcionem adotando princípios da física quântica. Para entender a proposta, é necessário recordar alguns conceitos e princípios fundamentais deste ramo da ciência. Em resumo, é o conjunto de teorias que refletem o comportamento de partículas subatômicas, suas relações e as maneiras como interagem entre si.
Em um sistema bem simples, como um átomo de hidrogênio, por exemplo, que podemos resumir a um elétron e um próton, há uma possibilidade de se determinar o seu estado quântico a partir do movimento do elétron (spin): se é anti-horário ou horário. Cada uma dessas duas possibilidades determina um valor de qubit, o bit quântico.

 (Foto: Reprodução/ ExtremeTech))
Alguns desses estados contêm quantidades pequenas de energia que podem ser canalizadas e usadas para alimentar nossos eletrônicos. A ideia dos cientistas é construir baterias baseadas em partículas nessas condições. Um dos desdobramentos fascinantes do uso da mecânica quântica em um aparelho recarregável é a possibilidade de que, ao drenar toda a energia, ele se recarregue sozinho, pelo simples realinhamento das partículas em seu interior.
Outra possibilidade abordada pelos cientistas em sua pesquisa é o uso do entrelaçamento quântico. Esse fenômeno é aquele que afirma que partículas separadas por grandes distâncias, de alguma forma, sofrem as mesmas interações. Uma enorme rede de baterias conectadas via entrelaçamento seria capaz de fornecer quantidades impensáveis de energia e uma eficiência assombrosa na transmissão da mesma: não haveria perda em carga e descarga, segundo os cientistas.
A ideia de conversão sem perda é algo visto com ceticismo. A bateria do seu celular, por exemplo, sempre que aquece, está desperdiçando energia: o aquecimento é eletricidade que virou calor, e não informação no seu telefone. Entretanto, há alguns fenômenos naturais onde a transformação se dá sem despedício, como a fotossíntese das plantas – e ninguém sabe direito o porquê disso acontecer.