Startup brasileira que oferece cursos online para surdos fica entre as 6 melhores do mundo em Dubai

Finalistas e jurados do prêmio Next Billion, em Dubai — Foto: Fabrício Vitorino/G1

A startup brasileira Signa, que oferece uma plataforma de educação online para surdos, ficou entre as seis melhores do mundo no prêmio Next Billion, realizado durante o Global Education and Skills Forum, em Dubai, nos Emirados Árabes, na semana passada. A grande vencedora foi a plataforma Ubongo, da Tanzânia, que levou o prêmio de US$ 25 mil, ou quase R$ 100 mil.
A empresa africana oferece entretenimento educacional para crianças de 9 a 14 anos do continente, e o serviço já tem cerca de 5 milhões de usuários na África e opera em quatro línguas. Seu desenho animado “Ubongo Kids” ensina matemática e ciências através de histórias animadas – e as crianças podem interagir na plataforma via SMS ou Facebook. “Nós já estamos atuando junto às crianças e agora pretendemos fazer muito mais. Queremos atingir 20 milhões de jovens até 2022 – mas nosso objetivo final é impactar 440 milhões”, diz Nisha Ligon, CEO do Ubongo.
As outras duas startups do top 3 foram a Dost, do Egito, uma plataforma que cria pequenos áudios para que os pais possam acompanhar a vida escolar de seus filhos; e a PraxiLabs, da Índia, que oferece laboratórios de ciências em 3D para escolas no Oriente Médio, onde os alunos podem fazer simulações em biologia, química e física.

Top 30 entre 30 mil startups

A brasileira Signa, que chegou ao top 30 de uma lista com cerca de 30 mil startups de todo o mundo, participou de três “pitches” – pequenas apresentações para um grupo de jurados – ao longo dos três dias de competição. “No primeiro dia fiquei mais nervosa, mas consegui fazer uma apresentação com bastante impacto. Já participei de várias competições nacionais e internacionais, mas foi a primeira vez que fiz uma maratona de pitches”, diz Fabíola Rocha, cofundadora e diretora geral da Signa, que abriu seu “pitch” em língua de sinais, surpreendendo os jurados e a plateia.
A plataforma online de educação e capacitação para pessoas surdas, em Libras (língua brasileira de sinais) e com legendas, não tem concorrentes no Brasil, e mesmo no mundo. E o conteúdo é feito praticamente todo pela comunidade surda – seja produzido pela própria Signa, seja pela comunidade, de uma forma similar ao YouTube, por exemplo.”
Apesar de não ter levado o prêmio, Fabíola acredita que o prêmio tem uma importância enorme por ser um dos poucos exclusivamente voltados para EdTechs – empresas digitais voltadas para a educação: “A gente sempre participa de eventos de impacto social, onde as empresas de EdTech acabam sendo um patinho feio. Mas o Next Billion, aqui em Dubai, foi realmente 100% EdTech. Foi o nosso setor”, diz Fabíola.
A diretora da Signa acabou sendo um dos destaques nos “pitches”- momento crucial para as startups venderem seu trabalho e conseguirem investimentos. Para ela, é preciso muito treino, seguir um roteiro específico e, o mais importante, ouvir feedbacks: “Só praticar sozinho não resolve, a pressão é diferente. Minha dica principal é gravar tudo. Escrevo, leio para bater com o tempo exigido e mando para mentores, amigos e equipe. Ouço os feedbacks, arrumo até chegar no modelo certo. É um processo de produção. Achar que um bom pitch vem de dom e improviso é mentira. Improviso é bom, mas é preciso treinar, treinar e treinar.”