The Technology a empresa (The Technology the company)

Aos que estão querendo montar seu PC ou comprar um Notebook a The Technology está com diversas promoções, tudo com 1 ano de garantia e nota fiscal. Quem quiser mais informações entre em contato com a empresa: Instagram: @the.technology WhatsApp: +5531999858373 To those who are looking to assemble their PC or buy a Notebook, The Technology has several promotions, all with 1 year warranty and invoice. Whoever wants more information contact the company: Instagram: @ the.technology WhatsApp: +5531999858373

SERIAL DE ATIVAÇÃO WINDOWS 10 TODOS (ACTIVATION SERIAL WINDOWS 10 ALL)

Está é a maior lista da internet de Serial, Chave e Key de instalação do Windows 10 (This is the Internet's largest list of Windows 10 Serial, Key and Key installation)

AutoCAD 2017 + Crack Completo em Português-BR

AutoCAD 2017 + Crack, Completo em Português-BR é o software mais utilizado no campo da engenharia, arquitetura e design de produtos, consagra-se como uma das ferramentas de desenho técnico mais completas e profissionais disponíveis no mercado.

SketchUp Pro 2017 + V-Ray + Crack – Português

SketchUp Pro 2017 foi desenvolvido para os estágios conceituais do projeto, com uma estrutura 3D muito fácil de aprender. Numa analogia, SketchUp Pro pode ser considerado “o lápis do desenho digital”.

SSD: conheça mitos e verdades do hardware e tire suas dúvidas

Com aumento na popularidade do SSD, alguns mitos sobre o componente de armazenamento acabaram se espalhando pela Internet, desinformando muitos e afastando possíveis novos usuários.

Como descobrir (hackear) senha de WIFI no Windows em minutos - WPA/WPA2/WPS

Deseja aproveitar a conexão Wi-Fi super rápida do seu vizinho? Se eles são espertos, provavelmente têm uma senha protegida (caso contrário, você não estaria lendo isso, estaria?).

EUA vão reavaliar cooperação com aliados que utilizarem Huawei, diz governo

O governo dos Estados Unidos não vê qualquer distinção entre as partes centrais e não-centrais das redes 5G e vai reavaliar o compartilhamento de informações com os aliados que usam equipamentos fabricados pela chinesa Huawei, informou uma autoridade de segurança cibernética do país nesta segunda-feira (29).
"É a posição dos Estados Unidos que colocar a Huawei ou qualquer outro fornecedor indigno de confiança em qualquer parte da rede de telecomunicações 5G é um risco", disse Robert Strayer, vice-secretário adjunto de política de comunicações internacionais e informações do Departamento de Estado.
"Se outros países permitirem que fornecedores não confiáveis construam e se tornem fornecedores de suas redes 5G, teremos que reavaliar a capacidade de compartilharmos informações e nos conectarmos com eles da maneira como estamos hoje", afirmou.
Fontes disseram à Reuters na semana passada que o Conselho Nacional de Segurança do Reino Unido havia decidido excluir a Huawei de todas as partes centrais da rede 5G, mas ainda permitir que isso ocorresse em partes não essenciais com algumas restrições maiores.

Dona do Google tem resultado abaixo do esperado no 1º trimestre

Multa recebida na Europa afetou lucro do Google no 1º trimestre — Foto: AP Photo/Marcio Jose Sanchez


A Alphabet, controladora do Google, não conseguiu aproveitar os benefícios da economia norte-americana forte, que ajudou a impulsionar rivais no 1º trimestre, e apresentou nesta segunda-feira (29) um resultado abaixo do esperado.
Considerando efeitos cambiais, o faturamento trimestral subiu 17% em relação a 1 ano atrás, para US$ 36,3 bilhões. A expectativa dos analistas de mercado era de uma receita de US$ 37,3 bilhões, segundo dados da IBES Refinitiv.
O lucro líquido caiu 29%, para US$ 6,6 bilhões, na mesma comparação.
Após a divulgação do resultado, as ações da empresa caíam mais de 5% no pregão após o fechamento regular, depois de encerrarem o dia em alta de 1,5%, para o recorde de US$ 1.296,20.
Grandes rivais na área de venda de publicidade online como Facebook, Snap (dona do Snapchat), Amazon e Twitter tiveram receita trimestral acima ou em linha com as expectativas do mercado.

Crescimento lento

O crescimento de 17% no faturamento da Alphabet foi o mais lento em 3 anos. No mesmo período do ano passado, a expansão tinha sido de 26%.
Os 3 bilhões de usuários do Google ajudaram a maior vendedora de espaço publicitário na internet a capturar quase um terço de toda a receita na área, segundo a empresa de pesquisa de mercado EMarketer. O Facebook detém 20%.
Os cliques pagos em seus sites subiram 39% na comparação com o 1º trimestre de 2018, mas caíram 9% em relação ao trimestre anterior. O custo por clique caiu 19% em 1 ano, mas subiu 5% frente ao 4º trimestre do ano passado.
Os custos trimestrais subiram quase o mesmo que a receita, avançando 16,5% sobre um ano antes, para US$ 29,7 bilhões. Ela inclui a multa bilionária que o Google recebeu da União Europeia em março, por impedir anúncios de concorrentes.
A Alphabet tem afirmado que o aumento nas despesas são justificados, uma vez que está investindo em escritórios, centros de processamento de dados e capacidades de inteligência artificial, em linha com a demanda esperada pelos serviços da empresa.
As ações acumulam alta de 23% no ano, menor variação entre as empresas que compõem o grupo de gigantes da tecnologia. O Facebook tem valorização de 48%, a Netflix subiu 39%, a Apple avançou 30% e Amazon, 29%.

Microsoft irá abandonar exigência de alteração periódica de senhas

Recomendação da Microsoft exigia troca de senha a cada 60 dias para empresas. — Foto:  linusb4/Freeimages.com

A Microsoft anunciou algumas modificações para a sua linha de base de segurança do Windows, uma norma que norteia as políticas sugeridas e suas respectivas configurações para redes Windows.
Entre as novidades está uma mudança drástica na questão de alterações periódicas da senha: em vez de exigir a troca de senhas a cada 60 dias, a nova norma abandona completamente a necessidade de trocas periódicas.
Essas recomendações são utilizadas por empresas para decidir estratégias e políticas internas de segurança. Algumas dessas recomendações trazem uma configuração correspondente no Windows, permitindo que o próprio sistema se encarregue de garantir o cumprimento da norma.
Em uma publicação no blog oficial de recomendações de segurança, a Microsoft explica que a alteração periódica de senha é uma prática antiga que, por acaso, pode ser observada com um simples ajuste de configuração.
No entanto, há outros métodos mais efetivos para garantir a segurança da autenticação — como o uso de autenticação de duas etapas e proibição de senhas fracas e comuns.
Uma empresa que adotou todas essas práticas, mas que não exige a troca periódica de suas senhas, poderia ser penalizada por auditores que verificam o cumprimento das normas recomendadas pela Microsoft. Essas outras práticas não podem ser configuradas nas políticas do próprio Windows, então não aparecem nas recomendações específicas da Microsoft para os ajustes do sistema.
As exigências de complexidade, tamanho mínimo e histórico de senhas (que proíbe a reutilização de senhas anteriores) não serão modificadas.

Por que trocar uma senha periodicamente?

O objetivo da troca periódica de senha é expulsar um invasor que já obteve a senha.
Se um hacker obtiver acesso ao e-mail de um funcionário após conseguir a senha dele, a troca periódica vai bloquear os acessos futuros desse hacker.
O problema com essa mentalidade — como explica a própria publicação da Microsoft — é que até uma empresa que segue a recomendação e exige a troca ainda poderia ficar exposta pelos 60 dias até a troca. O ideal, nesses casos, é que a invasão seja detectada e a troca realizada imediatamente.
Uma empresa com boas práticas de segurança acaba ganhando muito pouco com trocas periódicas, mas funcionários perdem muito tempo gerando combinações novas e lidando com senhas esquecidas.
Segundo a Microsoft, estudos científicos recentes deixam dúvidas sobre possíveis ganhos obtidos com trocas regulares de senhas. Esse argumento já vem sendo levantado por especialistas da área há alguns anos, e o instituto que define as normas técnicas para os Estados Unidos (NIST) também removeu a exigência de trocas periódicas, passando a recomendar trocas apenas após atividades fraudulentas.
Embora as recomendações da Microsoft sejam voltadas a empresas, elas também acabam valendo para outros serviços, inclusive no mundo on-line.

Empresa de bitcoin é acusada de vazamento de dados; Atlas Quantum diz que clientes não tiveram perda

Uma empresa que negocia moedas digitais — as chamadas criptomoeadas — é acusada de ter permitido o vazamento dos dados de 264 mil clientes. São informações como nome, e-mail, telefone e saldo em bitcoins, o equivalente ao saldo bancário digital.
Por isso, o Ministério Público pediu à Justiça que a empresa, Atlas Quantum, pague R$ 10 milhões em indenização por danos morais coletivos. O suposto vazamento ocorreu em agosto de 2018.
A empresa disse ao G1 que não foi informada sobre o processo do Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (MPDFT) e que reafirma o compromisso com a transparência de todas as suas ações. "Reiteramos que o fato não ocasionou qualquer risco de perda dos investimentos, bem como adotamos todas as medidas necessárias para evitar prejuízos aos nossos clientes", informou a empresa (veja nota completa abaixo).
Segundo os promotores da Unidade de Proteção de Dados Pessoais, “houve falta de cuidado e zelo da Atlas na proteção das informações pessoais dos cidadãos que confiaram na política de segurança da companhia”.
A explicação da empresa, segundo os promotores, é que uma pessoa teria conseguido acessar a base de dados de clientes e divulgou na internet uma tabela com os dados de todos eles.
“Uma questão que chamou a atenção foi o fato de que, apesar de a Atlas informar que sua sede está localizada nos Estados Unidos, a maioria dos números de telefones dos clientes que tiveram seus dados comprometidos são do Brasil”, aponta o promotor Frederico Meinberg.
Caso a empresa seja condenada judicialmente, o valor da indenização não vai para os clientes afetados, e sim para um fundo judicial para ser investido posteriormente. A empresa não é considerada uma instituição financeira porque no Brasil não há regulamentação referente às criptomoedas.

Investigações

De acordo com as investigações, a Atlas se intitula como uma companhia de serviços financeiros que tem como principal produto o “Quantum”, um algoritmo que faz arbitragem financeira em bitcoins com rentabilidade diária. Ela alega gerir mais de 30 milhões de dólares, com 240 mil usuários espalhados em 50 países.
Para o MP, existe suspeita de fraude financeira. Segundo os promotores, a Atlas Quantum promete rendimentos estimados em 4,4% ao mês e 66,95% ao ano para os clientes – a poupança, por exemplo, rende menos de 0,5% ao mês. Além disso, não haveria indicação real de que o algoritmo anunciado pela empresa realmente exista e seja operante.
“Não se descarta a possibilidade de que as empresas, ao contrário do que afirmam, operem em um esquema de pirâmide financeira, nos moldes do investidor Bernard Madoff”, afirma o Ministério Público. Ainda assim, neste processo, a empresa não é acusada formalmente de praticar qualquer fraude do tipo.

O que diz a empresa Atlas Quantum

Em nota, a empresa declara:
"O Atlas não foi informado sobre o processo do Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (MPDFT), mas reafirma o compromisso com a transparência de todas as suas ações. Reiteramos que o fato não ocasionou qualquer risco de perda dos investimentos, bem como adotamos todas as medidas necessárias para evitar prejuízos aos nossos clientes. Além disso, o Atlas nega veementemente as acusações de pirâmide financeira, não prometendo rendimentos justamente por se tratar de uma operação de renda variável. Através de um algoritmo que encontra as melhores cotações do Bitcoin, o Atlas Quantum realiza operações de arbitragem em mais de 10 exchanges. A partir de variações de cotações entre as exchanges, operamos a compra e venda das moedas, gerando a rentabilidade que compartilhamos com nossos clientes. Nosso modelo de negócio já foi avaliado pela CVM, que afirmou não ter encontrado nenhum indício de irregularidade.”

Apple negocia compra da área de modems para smartphones da Intel, diz jornal

Sede da Intel, na Califórnia (EUA). — Foto: Divulgação/Intel

A Intel estaria negociando parte de sua unidade de chips para smartphones-modem com a Apple, disseram fontes com assunto sobre o tema para o jornal "Wall Street Journal" nesta sexta-feira (26).
A empresa decidiu sair do mercado de modems 5G na semana passada, depois de a Apple acertar uma longa disputa jurídica com a Qualcomm, importante fornecedora de chips para os iPhones. Segundo as fontes disseram à publicação, o interesse pela divisão da Intel mostra que a Apple está considerando grandes aquisições.
De acordo com a publicação, a Intel já teria recebido manifestações de interesse de uma série de grupos e contratou o Goldman Sachs para assessorá-la no processo, que ainda está em etapa inicial. A venda permitiria à Intel se desfazer de uma divisão que, segundo as fontes do jornal, deu quase US$ 1 bilhão em prejuízo no ano passado.
Representantes de Apple, Intel e Goldman Sachs não comentaram o assunto à Reuters.

Aplicativos removidos da Google Play por abusos foram baixados 30 milhões de vezes

Aplicativo U Tunes teve cinco milhões de downloads antes de ser removido da Play Store. — Foto:  Reprodução/Avast
A fabricante de antivírus Avast divulgou um alerta sobre aplicativos publicados na Google Play, a loja oficial do Google para Android, que foram baixados mais de 30 milhões de vezes até serem removidos da loja por práticas abusivas. O Brasil teria sido um dos principais países afetados, segundo a Avast.
No total, 51 aplicativos foram detectados na Play Store e outros 20 fora dela, disponíveis para download por site. Todos esses programas compartilhavam um código, chamado de "TsSDK". Esse código em comum permitiu aos analistas da Avast apontar que todos esses aplicativos faziam parte da mesma campanha.
O código foi detectado em duas versões, chamadas de "A" e "B". A versão "B" foi a que mais teve sucesso na Play Store, com aplicativos como U Tunes, BlueTunes e Pure Hub atingindo a marca de cinco milhões de downloads.
Em geral — e diferente de muitos outros aplicativos com práticas abusivas —, os programas cumpriam as funções prometidas. Porém, após serem instalados, eles mantinham um serviço em execução no telefone para exibir anúncios toda vez que a tela era ligada.
Não está claro se os desenvolvedores desses aplicativos incluíram o código do TsSDK cientes da exibição desses anúncios. Há casos em que desenvolvedores optam por incluir algum código de terceiros que insere publicidade no aplicativo. Dessa forma, nem o próprio desenvolvedor fica ciente de todas as funções que o código publicitário pode realizar.

Prática discreta

Nem todo mundo que instalou os aplicativos pode ter visto os anúncios abusivos. Segundo a Avast, a programação da versão B foi realizada de maneira que os anúncios só seriam exibidos se a instalação do aplicativo ocorresse a partir de um anúncio veiculado no Facebook. O código verificava, por meio de informações disponibilizadas pelo próprio Facebook, se a instalação ocorreu por meio do anúncio em questão.
Sem o anúncio detectado, o aplicativo desativava sua rotina de anúncios abusivos. Do contrário, os anúncios eram exibidos de forma agressiva por quatro horas, diminuindo a frequência após esse período.
Essas táticas podem ter contribuído para que os aplicativos ficassem por mais tempo na Play Store, burlando os filtros impostos pelo Google, e conseguissem atrair mais pessoas. Apesar disso, muitas avaliações escritas por internautas reclamavam dos anúncios, observou a Avast.
Usuários do Android 8 também podem ter ficado sem os anúncios, já que o código responsável por exibi-los não é compatível com essa versão do Android.
A Play Store do Google está passando por mudanças que podem aumentar o tempo que leva para um aplicativo ser aprovado. O objetivo das medidas é coibir as práticas abusivas: embora o Google afirme que fiscaliza todos os apps, muitos programas falsos ou fraudulentos têm escapado dos filtros.

Verizon anuncia mais 20 cidades que irão receber rede 5G nos EUA

A operadora de telefonia Verizon anunciou que vai implementar a tecnologia de conexão 5G em mais de 30 cidades dos Estados Unidos até o final do ano. A Verizon anunciou hoje 20 novas cidades que irão receber o 5G, além de Mineapolis e Chicago, onde a conexão já foi ativada.
Washington, Houston, Dallas e Boston são algumas das cidades que chegaram à lista 5G da Verizon.
Durante o anúncio, a Verizon também informou que começou as pré-vendas para os smartphones Galaxy S10 5G da Samsung, lançados pela empresa em fevereiro. O celular será comercializado com exclusividade pela Verizon por tempo limitado, e estará disponível nas lojas da operadora a partir de 16 de maio, com um preço inicial de US$ 1.299.
Os usuários em Chicago e Minneapolis podem atualmente usar a rede 5G da Verizon, mas relatos iniciais, publicados pela imprensa norte-americana, afirmam que é difícil conseguir sinal e que há poucos torres, o que impossibilita a mobilidade enquanto se usa o serviço.
A rival AT&T lançou sua rede 5G em 12 cidades dos EUA em dezembro. No entanto, sua rede está disponível apenas para consumidores que usam um dispositivo de ponto de acesso móvel, não em telefones 5G.

Como fazer cursos online grátis na Escola Virtual do Governo

A Escola Virtual (EV.G) é um serviço do Governo Federal que tem cursos online grátis com capacitação em diversas áreas. Oferecendo conteúdos formulados por diversas instituições de ensino, a plataforma é voltada para servidores e cidadãos que buscam capacitação profissional ou querem ampliar suas chances no mercado de trabalho. Entre as áreas de formação estão: Gestão de pessoas, Liderança, Políticas Públicas, Inovação, Finanças, Estatística, Tecnologia da Informação e várias outras disciplinas. Os módulos têm algumas horas de duração e, ao fim do curso, é emitido um certificado.
Para acessar a EV.G, novos usuários precisam fazer um rápido cadastro informando dados pessoais como endereço completo e número do CPF. Para participar dos cursos, a plataforma exige o preenchimento de um rápido questionário que não impede a participação nas atividades. O site pode ser acessado por qualquer navegador web do PC ou pelo celular.
Para saber como se cadastrar e navegar pela Escola Virtual do Governo Federal, confira as dicas a seguir.

Tutorial mostra como se cadastrar e participar de cursos da Escola Virtual do Governo Federal — Foto: Reprodução/Marvin CostaTutorial mostra como se cadastrar e participar de cursos da Escola Virtual do Governo Federal — Foto: Reprodução/Marvin Costa
Tutorial mostra como se cadastrar e participar de cursos da Escola Virtual do Governo Federal — Foto: Reprodução/Marvin Costa

Cadastro no serviço

Passo 1. Acesse o site da Escola Virtual (https://www.escolavirtual.gov.br/) e clique no botão "Entrar";
Ação para visualizar a área de login de cursos online oferecidos pelo Governo Federal — Foto: Reprodução/Marvin CostaAção para visualizar a área de login de cursos online oferecidos pelo Governo Federal — Foto: Reprodução/Marvin Costa
Ação para visualizar a área de login de cursos online oferecidos pelo Governo Federal — Foto: Reprodução/Marvin Costa
Passo 2. Digite seu CPF no local indicado e clique no botão acessar;
Ação para tentar acessar a página de cursos online do Governo Federal — Foto: Reprodução/Marvin CostaAção para tentar acessar a página de cursos online do Governo Federal — Foto: Reprodução/Marvin Costa
Ação para tentar acessar a página de cursos online do Governo Federal — Foto: Reprodução/Marvin Costa
Passo 3. A plataforma informará que você não tem um cadastro e pedirá que você forneça um endereço de e-mail. Digite seu e-mail e clique em "Enviar";
Ação para iniciar o cadastro de novo usuário na Escola Virtual do Governo Federal — Foto: Reprodução/Marvin CostaAção para iniciar o cadastro de novo usuário na Escola Virtual do Governo Federal — Foto: Reprodução/Marvin Costa
Ação para iniciar o cadastro de novo usuário na Escola Virtual do Governo Federal — Foto: Reprodução/Marvin Costa
Passo 4. Você receberá um e-mail para confirmar seu cadastro. No corpo da mensagem, clique no link "Acesse aqui", como mostra a imagem abaixo;
E-mail recebido para confirmar o cadastro de novo usuário na Escola Virtual do Governo Federal — Foto: Reprodução/Marvin CostaE-mail recebido para confirmar o cadastro de novo usuário na Escola Virtual do Governo Federal — Foto: Reprodução/Marvin Costa
E-mail recebido para confirmar o cadastro de novo usuário na Escola Virtual do Governo Federal — Foto: Reprodução/Marvin Costa
Passo 5. Preencha seus dados pessoais e clique no botão "Confirmar Cadastro";
Ação para fornecer dados pessoais ao criar uma conta na Escola Virtual do Governo Federal — Foto: Reprodução/Marvin CostaAção para fornecer dados pessoais ao criar uma conta na Escola Virtual do Governo Federal — Foto: Reprodução/Marvin Costa
Ação para fornecer dados pessoais ao criar uma conta na Escola Virtual do Governo Federal — Foto: Reprodução/Marvin Costa
Passo 6. O site confirmará que seu cadastro foi finalizado. Nesse momento, clique no botão "Continuar" para acessar sua página de usuário.
Ação para confirmar um novo cadastro e acessar a área de usuário da Escola Virtual do Governo Federal — Foto: Reprodução/Marvin CostaAção para confirmar um novo cadastro e acessar a área de usuário da Escola Virtual do Governo Federal — Foto: Reprodução/Marvin Costa
Ação para confirmar um novo cadastro e acessar a área de usuário da Escola Virtual do Governo Federal — Foto: Reprodução/Marvin Costa

Navegar pelo perfil e acessar os cursos

Passo 1. Na página inicial, clique na opção "Catálogo de Cursos";
Página inicial de usuário do site Escola Virtual do Governo Federal — Foto: Reprodução/Marvin CostaPágina inicial de usuário do site Escola Virtual do Governo Federal — Foto: Reprodução/Marvin Costa
Página inicial de usuário do site Escola Virtual do Governo Federal — Foto: Reprodução/Marvin Costa
Passo 2. Navegue pelas temáticas na lateral esquerda da tela para visualizar os cursos. Quando encontrar um que lhe agrada, clique na opção "Inscreva-se";
Ação para escolher e acessar um curso no site Escola Virtual do Governo Federal — Foto: Reprodução/Marvin CostaAção para escolher e acessar um curso no site Escola Virtual do Governo Federal — Foto: Reprodução/Marvin Costa
Ação para escolher e acessar um curso no site Escola Virtual do Governo Federal — Foto: Reprodução/Marvin Costa
Passo 3. Preencha os dados requeridos que se mostram obrigatórios para iniciar o curso;
Ação para preencher dados para participar de um curso na Escola Virtual do Governo Federal — Foto: Reprodução/Marvin CostaAção para preencher dados para participar de um curso na Escola Virtual do Governo Federal — Foto: Reprodução/Marvin Costa
Ação para preencher dados para participar de um curso na Escola Virtual do Governo Federal — Foto: Reprodução/Marvin Costa
Passo 4. Após definir os dados, clique no botão "Salvar";
Ação para finalizar informações para participar de um curso da Escola Virtual do Governo Federal — Foto: Reprodução/Marvin CostaAção para finalizar informações para participar de um curso da Escola Virtual do Governo Federal — Foto: Reprodução/Marvin Costa
Ação para finalizar informações para participar de um curso da Escola Virtual do Governo Federal — Foto: Reprodução/Marvin Costa
Passo 5. Para continuar, clique no botão "Acessar Curso";
Ação para acessar um curso da Escola Virtual do Governo Federal — Foto: Reprodução/Marvin CostaAção para acessar um curso da Escola Virtual do Governo Federal — Foto: Reprodução/Marvin Costa
Ação para acessar um curso da Escola Virtual do Governo Federal — Foto: Reprodução/Marvin Costa
Passo 6. Use as os links na lateral esquerda da tela para acessar módulos do curso. Você pode iniciar as aulas através dos links na parte central da tela;
Ação para navegar por um curso na Escola Virtual do Governo Federal — Foto: Reprodução/Marvin CostaAção para navegar por um curso na Escola Virtual do Governo Federal — Foto: Reprodução/Marvin Costa
Ação para navegar por um curso na Escola Virtual do Governo Federal — Foto: Reprodução/Marvin Costa
Passo 7. Na página inicial do serviço, confira os cursos em que está inscrito na área "Cursos em Andamento". Na lateral esquerda da tela, navegue nas opções para ver certificados, cursos e comprovantes.
Página inicial com cursos do usuário no site Escola Virtual do Governo Federal — Foto: Reprodução/Marvin CostaPágina inicial com cursos do usuário no site Escola Virtual do Governo Federal — Foto: Reprodução/Marvin Costa
Página inicial com cursos do usuário no site Escola Virtual do Governo Federal — Foto: Reprodução/Marvin Costa
Aproveite a dica para melhorar seus currículo com os cursos gratuitos oferecidos pela Escola Virtual do Governo.