Pessoas contratadas pelo Facebook analisaram postagens privadas para treinar inteligência artificial

Funcionários terceirizados, contratados pelo Facebook, analisaram postagens categorizadas como privadas na rede social e também no Instagram para melhorar o desempenho da inteligência artificial da empresa.
No ano passado, uma equipe de 260 funcionários contratados em Hiderabad, na Índia, acessou milhões de fotos do Facebook, atualizações de status e outros conteúdos publicados desde 2014. Os funcionários categorizam os itens de acordo com cinco "dimensões", como o Facebook as chama.
As dimensões incluem o assunto da publicação — contém comida, por exemplo, ou um selfie ou um animal? Qual é a ocasião — uma atividade cotidiana ou um grande evento da vida? E qual é a intenção do autor — planejar um evento, inspirar, fazer uma piada?
Esse trabalho pretende entender como os conteúdos que os usuários publicam em seus serviços estão mudando, disse o Facebook. Isso pode ajudar a empresa a desenvolver novos recursos, aumentando potencialmente o uso e a receita de anúncios publicitários.
Na conferência de desenvolvedores da rede social, F8, o Facebook apresentou avanços relacionados à inteligência artificial, responsável por remover conteúdo nocivo da plataforma.
Os detalhes do esforço foram fornecidos por vários funcionários da empresa de terceirização Wipro, durante vários meses. Os trabalhadores falaram à agência Reuters sob condição de anonimato devido ao medo de retaliação da empresa indiana.
O Facebook mais tarde confirmou muitos detalhes do projeto. A Wipro se recusou a comentar e encaminhou todas as perguntas para o Facebook.