The Technology a empresa (The Technology the company)

Aos que estão querendo montar seu PC ou comprar um Notebook a The Technology está com diversas promoções, tudo com 1 ano de garantia e nota fiscal. Quem quiser mais informações entre em contato com a empresa: Instagram: @the.technology WhatsApp: +5531999858373 To those who are looking to assemble their PC or buy a Notebook, The Technology has several promotions, all with 1 year warranty and invoice. Whoever wants more information contact the company: Instagram: @ the.technology WhatsApp: +5531999858373

SERIAL DE ATIVAÇÃO WINDOWS 10 TODOS (ACTIVATION SERIAL WINDOWS 10 ALL)

Está é a maior lista da internet de Serial, Chave e Key de instalação do Windows 10 (This is the Internet's largest list of Windows 10 Serial, Key and Key installation)

AutoCAD 2017 + Crack Completo em Português-BR

AutoCAD 2017 + Crack, Completo em Português-BR é o software mais utilizado no campo da engenharia, arquitetura e design de produtos, consagra-se como uma das ferramentas de desenho técnico mais completas e profissionais disponíveis no mercado.

SketchUp Pro 2017 + V-Ray + Crack – Português

SketchUp Pro 2017 foi desenvolvido para os estágios conceituais do projeto, com uma estrutura 3D muito fácil de aprender. Numa analogia, SketchUp Pro pode ser considerado “o lápis do desenho digital”.

SSD: conheça mitos e verdades do hardware e tire suas dúvidas

Com aumento na popularidade do SSD, alguns mitos sobre o componente de armazenamento acabaram se espalhando pela Internet, desinformando muitos e afastando possíveis novos usuários.

Como descobrir (hackear) senha de WIFI no Windows em minutos - WPA/WPA2/WPS

Deseja aproveitar a conexão Wi-Fi super rápida do seu vizinho? Se eles são espertos, provavelmente têm uma senha protegida (caso contrário, você não estaria lendo isso, estaria?).

Waze vai passar a informar valor de pedágio também no Brasil

Waze vai passar a informar valor de pedágio também no Brasil

Na hora de escolher por qual caminho seguir viagem, geralmente levamos em conta o tempo, a distância, as condições da estrada e o preço total a ser pago em pedágio. Esse último item, no entanto, era meio difícil de prever. Ao mesmo tempo, é importante: como saber se vale a pena pegar um caminho mais rápido ou mais curto sem saber quanto você precisará pagar? Isso deve mudar em breve, já que o Waze lançou no Brasil o recurso de calculadora de pedágios.
Até agora, o aplicativo apenas indicava se havia ou não pedágios — o que, convenhamos, era uma informação bem pouco relevante. Para ir a uma cidade que frequentemente visito na divisa de São Paulo com Minas Gerais, todos os caminhos têm pedágios. Em um deles, só há uma praça de cobrança; em outro, há quatro, e todas as cobranças são bem caras. Saber só que tem pedágio no caminho não significava nada nesse caso.
Com a novidade, ao inserir um destino no app, o usuário verá o valor total a ser gasto em pedágios quando escolher uma das rotas sugeridas.
De acordo com o comunicado enviado pelo Waze, “a colaboração da comunidade brasileira foi essencial, já que eles ficaram encarregados de coletar e inserir informações sobre preços de pedágio”.
O recurso ainda não está disponível no meu app, mas acredito que essa atualização de preços ele funcionará de forma parecida com a que já ocorre nos postos de gasolina: quando o app está aberto e você entra com seu carro em um, ele pede para você inserir os preços.
Segundo a empresa, será possível informar ao app se seu carro conta com um daqueles adesivos de cobrança automática. O app é “compatível com faixas exclusivas”, diz o comunicado, o que sugere que ele indicará em que pista ficar para passar direto pelo pedágio, caso você tenha um serviço desses.
A funcionalidade, que foi lançada em julho nos EUA e no Canadá, começará a ser disponibilizada hoje no Brasil e será distribuída aos poucos para todos os usuários do País.

Comissão dos EUA quer proibir que operadoras usem subsídio federal para comprar equipamentos da Huawei e da ZTE

Logo da Huawei no topo de um prédio.

A Comissão Federal de Comunicações dos EUA (FCC, na sigla em inglês) está fazendo tramitar novas restrições de negócios com as gigantes da tecnologia Huawei e ZTE. Ajit Pai, presidente da entidade, estabeleceu a data de 19 de novembro para a votação de uma proposta para proibir que empresas americanas que recebem subsídios federais usem os recursos na compra de equipamentos de telecomunicações das empresas chinesas.
De acordo com o Wall Street Journal, isso designaria ambas as empresas (tanto a americana como a chinesa) como ameaças à segurança nacional e as impediria de participar de um fundo de US$ 8,5 bilhões para expandir o acesso rural à Internet — o principal mercado para os negócios de telecomunicações de qualquer empresa. Isso pode entrar em vigor dentro de 30 dias após a votação, embora o prazo possa ser estendido até 120 dias se uma empresa contestar, disse uma fonte da FCC ao Journal.
Em outro desdobramento, a FCC está considerando exigir que as empresas dos EUA substituam os equipamentos Huawei e ZTE já instalados — o argumento de Ajit Pai de que esses equipamentos são um grande risco de segurança.
TechCrunch informou que a FCC está considerando um programa para reembolsar as operadoras por qualquer equipamento que precise ser substituído. Em uma entrevista coletiva, segundo o site, a FCC disse que “várias” operadoras americanas menores usaram o fundo federal para comprar equipamentos da Huawei e que o rascunho da nova determinação “estabeleceria um processo para designar outros fornecedores que representassem uma ameaça à segurança nacional”.
Um porta-voz da FCC negou ao Journal que a decisão foi motivada pela guerra comercial entre EUA e China e pelas repetidas afirmações das agências de inteligência dos EUA de que as empresas de tecnologia chinesas poderiam ser veículos de espionagem. A CIA teria alegado aos membros aliança de inteligência “Five Eyes” que a Huawei é recebe, ao menos em parte, apoio dos serviços de segurança chineses.
A Huawei negou veementemente as acusações, embora esteja enfrentando problemas adicionais nos Estados Unidos, desde um caso federal de roubo comercial até a situação de sua diretora financeira Meng Wanzhou, que os EUA acusam de ter violado sanções ao Irã e cometido fraude bancária. Meng está atualmente lutando contra a extradição para os EUA nos tribunais canadenses.
A administração de Donald Trump já colocou a Huawei e a ZTE na lista proibida do processo federal de compras, o que significa que as agências dos EUA não podem usar seus equipamentos. A Huawei também recebeu sanções adicionais sobre seus negócios que a proibiram de comprar a tecnologia dos EUA — um dos golpes mais duros foi quando seus produtos de varejo foram cortados do ecossistema Android, do Google. A empresa relatou recentemente um crescimento saudável das vendas apesar das restrições, provavelmente frustrando as autoridades americanas.

Smartphone com tela holográfica da RED vai para o beleléu

Smartphone com tela holográfica da RED vai para o beleléu

O Red Hydrogen One era um celular de outra dimensão: grande, pesado e ostentado como o primeiro smartphone holográfico do mundo. Acontece que ele não cumpriu com as expectativas e, agora, junto com a aposentadoria do fundador da Red, Jim Jannard, seu projeto foi cancelado.
Em uma publicação do fórum Hydrogen da Red, Jannard explicou que depois de completar 70 anos e ser acometido com “alguns problemas de saúde”, sentiu que era hora de se aposentar. Em um comunicado breve, Jannard agradeceu seus colegas e funcionários e anunciou mudanças nos cargos executivos da companhia.
Sobre o Hydrogen One em si, Jannard disse que o celular continuará tendo suporte, embora não esteja claro se isso significa que o aparelho receberá apenas correções de segurança regulares ou atualizações mais substanciais, como novas versões do Android. Em relação à segunda geração do Hydrogen, que chegou a ser citado em uma publicação de Jannard no começo do ano, o desenvolvimento foi cancelado.

O Hydrogen One custava absurdos US$ 1.300 (que recentemente passou a ser vendido por US$ 650) e nunca alcançou todo o seu potencial. A tela “holográfica” se parecia com o display do Nintendo 3DS e o máximo que conseguia era produzir um efeito interessante em fotos e vídeos com o formato adequado.
No entanto, nem tudo está perdido. Jannard mencionou que a câmera Komodo 6K — que supostamente teria integração com o Hydrogen One — está “prestes a ser lançada”. Embora não haja uma data específica para a chegada da Komodo, será interessante ver se ela consegue dar sobrevida ao smartphone da RED.

Yoshinori Ono conta que Street Fighter 4 era para ser um jogo de turnos

Imagem de: Yoshinori Ono conta que Street Fighter 4 era para ser um jogo de turnos

Enquanto pensava como iria ser o Street Fighter IV, Yoshinori Ono idealizou uma transformação radical na jogabilidade: ações por turnos. Durante entrevista no EGX 2019, o produtor da Capcom, contou sobre suas ideias ao ser questionado sobre mudanças radicais, como uma possível versão em primeira pessoa.
Ele riu da sugestão e falou sobre o jogador realizar as ações do combate em turnos e juntar elas em um bloco para depois rodar automaticamente. No fim, a equipe resolveu não seguir por esse caminho para a sequência, porém, mais tarde foi lançado o Yomi, jogo de cartas com construção de baralhos, da franquia, que tem justamente essa jogabilidade.
Essa ideia realmente funciona para o dispositivo móvel, mas será que teria uma boa aceitação para os jogadores das telas grandes de consoles e computadores? O que não podemos contrariar é que os smartphones são um bom investimento para o futuro.
Outra curiosidade que o produtor soltou na entrevista é de que a Capcom era 99,9% contra fazer a sequência IV, mas ele convenceu os chefes a produzirem a volta da franquia.
Assista a entrevista completa em inglês:

Menor câmera do mundo poderá fotografar capilares sanguíneos

Imagem de: Menor câmera do mundo poderá fotografar capilares sanguíneos

A miniaturização parece ser o caminho da tecnologia: cubesats, microchips, mininaves – e, agora, chegamos à menor câmera do mundo, recordista do Livro Guinness. A invenção é da OmniVision Technology, uma empresa que projeta e desenvolve tecnologias em imagem digital.
O OVM6948 (na verdade, um sensor de imagem) é parte do módulo CameraCubeChip OVM6948, que tem como medidas 0,65 mm x 0,65 mm, com uma altura de 1,158 mm. Seu uso prático deverá ser na medicina, nos campos da cardiologia, neurologia, oftalmologia, artriscopia, torrinolaringologia, urologia e ginecologia.
A CameraCubeChip OVM6948 é menor que um grão de pimenta. (Fonte: OmniVision/Divulgação)
Sua resolução é de 200 x 200, ou 40 KPixel. O módulo da câmera possui abertura de visão de 120 graus, proporcionando uma profundidade de campo de 3 a 30 mm e captura de vídeo de até 30 quadros por segundo.

Menor câmera do mundo fotografando capilares

“A câmera pode ser usada em fios-guia, cateteres e endoscópios descartáveis, cujo uso está aumentando porque, com eles, é possível reduzir riscos de contaminação cruzada, além de não precisarem ser consertados ou esterilizados”, explica o diretor de marketing da OmniVision, Aaron Chiang.
Fotos de alta qualidade dentro de vasos sanguíneos, por exemplo, podem se tornar corriqueiras. O OmniVision OV6948 produz imagens coloridas de 40 mil pixels usando iluminação traseira e filtro RGB Bayer. Cada photosite mede apenas 1,75 µm de diâmetro – o sensor captura imagens a 30fps. As imagens podem ser transmitidas a até quatro metros de distância.

Como usar o Google Assistente para controlar a sua Smart Home

Imagem de: Como usar o Google Assistente para controlar a sua Smart Home

O Google Assistente tem uma série de funções que vão desde controlar a sua agenda e checar os seus emails até responder a suas perguntas e obedecer a alguns comandos, inclusive ajudando a controlar a sua casa.
Ele pode ajudar a, por exemplo, acender lâmpadas, mudar a temperatura do ambiente e cuidar das câmeras de segurança. Isso tudo por meio de um aplicativo no seu smartphone ou de alguns dispositivos, como o autofalante ou a Android TV.
Quer saber como fazer isso no seu dia a dia e transformar a sua casa em uma Smart Home? Então confira este tutorial que preparamos para você.

Primeiro passo: tenha um Google Assistente

O Assistente não está disponível apenas para smartphones. Existe uma série de dispositivos Google Home que podem ser adquiridos e instalados na sua casa para ajudar no seu dia a dia, basta escolher qual opção melhor se enquadra nas suas necessidades.

Segundo passo: instale o Google Assistente

Os dispositivos Google Home precisam de um tablet ou um smartphone para poderem funcionar adequadamente, sendo necessário sincronizar os dispositivos. Para isso, você deve abrir o aplicativo e selecionar a opção para adicionar novos aparelhos, de preferência dando nomes diferentes a eles, e, se tiver mais de um, colocando-os em diferentes ambientes da casa.

Terceiro passo: comece a usar

Para usar o Google Assistente é preciso que alguns dispositivos da sua casa, como televisão, lâmpadas, câmeras, fechaduras, termostato e outros aparelhos, sejam de marcas parceiras, que possam ser sincronizados com o seu Assistente. Por exemplo, as lâmpadas Philips Hue, o termostato Nest E, a câmera Nest IQ e os robôs aspiradores de pó Neato permitem essa integração.
Com isso, basta você dar os comandos para o seu Google Assistente e aproveitar os benefícios de ter uma Smart Home.

Usuários do Windows 7 são notificados sobre fim de suporte

Imagem de: Usuários do Windows 7 são notificados sobre fim de suporte

A Microsoft anunciou começou a notificar usuários da versão Pro do Windows 7 que encerrará o seu suporte ao sistema operacional a partir do dia 14 de janeiro de 2020. Os usuários de outras versões do SO começaram a receber esse tipo de notificação em março desse ano.
A Microsoft confirmou que as notificações serão enviadas dentro do sistema operacional, mas que os computadores que estiverem conectados como parte de uma infraestrutura gerenciada por empresas não receberão esses avisos. Essas notificações virão na forma de um botão de "Saiba mais", que levarão os usuários ao site da Microsoft, com informações sobre o Windows 10.
Fonte: Microsoft/Divulgação
No site, a Microsoft explicará os benefícios em fazer o update do sistema operacional para sua versão mais recente, além de lembrar que, com o fim do suporte ao Windows 7, os usuários ficarão vulneráveis devido à falta de atualizações de segurança e novas funções.
O Windows 7 foi lançado em 2009 e recebeu suporte total até 2015, quando a Microsoft passou a focar na versão mais recente do sistema operacional, oferecendo apenas atualizações de segurança desde então.

iOS 13 já está em 55% dos iPhones recentes, revela Apple

Imagem de: iOS 13 já está em 55% dos iPhones recentes, revela Apple

O iOS 13 chegou como furacão para os donos dos iPhones, até mesmo os mais antigos. Segundo um gráfico divulgado num site para desenvolvedores para apps do iOS, 55% dos iPhones lançados nos últimos 4 anos já estão rodando o novo sistema operacional.
Não só os dispositivos mais recentes, mas 50% de todos os aparelhos iPhones já são geridos pelo iOS 13. O número é um marco interessante e ressalta a adoção praticamente instantânea de todo consumidor Apple, considerando que há 4 meses 85% dos donos de aparelhos Apple — incluindo usuários de iPad — utilizavam o iOS 12.
(Fonte: MacRumors/Reprodução)
O sistema operacional unificado é um dos pontos de venda mais fortes da Apple. Por ter um sistema fechado e exclusivo de seus próprios dispositivos, a Apple consegue garantir atualizações de software por anos, atravessando gerações de aparelhos.
O Android, por outro lado, precisa lidar com uma forte fragmentação entre os aparelhos disponíveis e negligência das fabricantes parceiras que postergam atualizações em gerações mais antigas. Além de complicar o desenvolvimento de apps, atualizações de segurança também ficam para trás, tornando o sistema mais vulnerável.

Modem 5G Snapdragon X55 já foi adotado por mais de 30 fabricantes

Imagem de: Modem 5G Snapdragon X55 já foi adotado por mais de 30 fabricantes

O 5G ainda está em fase de crescimento, mas a Qualcomm já se tornou a escolha padrão entre as principais fabricantes que pretendem adotar a tecnologia até o ano que vem. Ao todo, mais de 30 fabricantes parceiras da companhia já adotaram o modem Snapdragon X55 e pretendem trazer o novo padrão de conexão em seus produtos até 2020.
De acordo com a companhia, os principais nomes que já adotaram a nova plataforma de conexão de rede sem fio inclui marcas como Samsung, Nokia, Oppo e Panasonic. Apesar de grande parte dos produtos equipados com 5G terem seu lançamento agendado só para 2020, a Qualcomm está exibindo os modelos já compatíveis com a conexão em um evento em Barcelona, que acontece até amanhã (16). Um dos produtos que já traz a tecnologia baseada no chip é o Galaxy Note 10+ 5G, que está fazendo sucesso lá fora.
(Fonte: Tom's Guide/Reprodução)
De acordo com a Qualcomm, a adoção dos produtos da companhia voltados para a nova conexão de rede móvel acontece porque os sisteams baseados no X55 suportam "virtualmente qualquer combinação dos modos e bandas do espectro 5G", além de funcionamento otimizado com a infraestrutura da companhia.
Cristiano Amon, o brasileiro que é presidente da firma, disse que a adoção das soluções da fabricante, que vão desde o modem até antenas, garante às empresas a possibilidade de atingir resultados de qualidade com o 5G tanto em áreas urbanas quanto em ambientes rurais.
(Fonte: Gizchina/Reprodução)
O Snapdragon X55 é feito em processo de fabricação de 7 nanômetros e possui um design fino. O modelo é o sucessor do X50 e, além de novidades no design, também promete facilitar a implementação do 5G: o produto consegue alcançar velocidades de até 7 Gbps e suporta ondas milimétricas abaixo da frequência de 6 GHz, além de funcionar com 4G LTE e entregar download de até 2,5 Gbps.

Com headphone sem fio Solo Wireless, a Apple finalmente conseguiu tornar a Beats atraente

Foe Beats Solo Wireless ao lado de um Apple Watch

A Beats acaba de anunciar os novos fones de ouvido Solo Wireless, com cancelamento de ruído, e eles são, de muitas formas, lindos. Eles representam os primeiros headphones Beats a serem completamente redesenhados sob a supervisão da Apple. (Os novos Powerbeats Pro foram os primeiros earbuds.) Essa supervisão da Apple é muito bem-vinda.
À primeira vista, os novos headphones Solo se parecem muito com os antigos – a mesma silhueta, o mesmo grande logotipo da Beats. Mas, apesar de manter a estética Beats, a reformulação alterou fundamentalmente a construção do Solo de uma maneira excelente.
No centro do novo acessório está uma faixa de alumínio anodizado que parece muito com a Apple. Isso também deve ajudar a tornar o novo Beats Solo especialmente durável. Eu assisti com admiração a uma apresentação recente quando um designer da Beats torceu os headphones como uma toalha molhada, e eles voltaram à sua forma original quando ele soltou. Esse truque é especialmente impressionante se você estiver familiarizado com a história da Beats de criar fones de ouvido frágeis.
Todo o resto do redesign do Beats Solo Wireless também parece bom. A carcaça de plástico parece um pouco menos frágil. A parte externa do fone direito funciona como um controle sutil com um controle de volume. Os fones têm mais estofamento e um novo acabamento em couro. O interior do arco tem uma textura suave, diferente do que está nos novos e caros headphones Bose 700. No geral, eles são um sofisticado conjunto de fones de ouvido, o que não é algo que eu diria sobre as gerações anteriores da Beats.
Fones Beats Solo WirelessFoto: Adam Clark Estes/Gizmodo
O novo Solo Wireless também recebeu várias atualizações. O botão liga/desliga está embutido na dobradiça do arco, para que eles liguem quando você os desdobra. Assim como os AirPods e o Powerbeats Pro, o Solo Wireless possui o chip H1 da Apple para emparelhamento e conectividade contínuos. Há também um conjunto completamente renovado de drivers que produzem áudio limpo e preciso. (Eu só tinha alguns minutos para testar o som no novo Solo Wireless, então reservarei a maior parte da minha opinião sobre a qualidade do áudio para o review completo.)
O Beats Solo Wireless também adiciona cancelamento de ruído ativo pela primeira vez. A Beats diz que esse recurso foi adaptado do irmão mais velho do Solo, o Beats Studio Wireless. Definitivamente, isso melhora a experiência, embora precisemos de testes adicionais antes de podermos dizer o quanto ela se compara com a Bose ou a Sony.
Os novos headphones Beats estarão à venda em 30 de outubro, nos EUA, por US$ 300 (R$ 1.250 em conversão direta). (Como ponto de comparação, o antigo Beats Solo Wireless custa US$ 200 e os headphones Bose que mencionei anteriormente são US$ 400).
As cores disponíveis são preto, branco e marrom. Há também uma colaboração do Pharrell Williams no lançamento que oferece uma opção verde-azulado, azul e vermelho. Eles são todos muito bonitos.

Google quer entrar na briga dos fones de ouvido sem fio com novos Pixel Buds

Google quer entrar na briga dos fones de ouvido sem fio com novos Pixel Buds

A Apple tem os AirPods, a Samsung, os Galaxy Buds, e a Microsoft os Surface Earbuds. Para não ficar de fora, o Google apresentou nesta terça-feira (15) os Pixel Buds.
Os Pixel Buds originais foram lançados em 2017 e, diferente dos seus competidores, eles tinham um cabo entre os fones. Isso os desqualificava como fones de ouvido completamente sem fio e, infelizmente, eles eram bem ruins. Não só o cabo atrapalhava para colocá-lo no case de carregamento, mas a conexão deles ao telefone era péssima. Além disso, os controles por toque eram bem delicados.
Desta vez, no entanto, os novos Pixel Buds se livraram dos fios, mas também resolveram alguns dos problemas que tivemos com os Pixel Buds originais. Como você pode imaginar, eles contam com integração do Google Assistente. Como seu predecessor, você também pode usar os Buds para traduzir algo — embora na prática, isso fosse um pouco esquisito nos Buds originais.
Pixel Buds na orelha
O interessante é que os novos Buds contam com uma conexão Bluetooth de longo alcance, que o Google diz que possibilitará que você possa executar comandos mesmo longe do aparelho. Em um campo aberto, eles podem conectar-se com um smartphone do outro lado de um campo de futebol americano. Já em lugares fechados, o Google promete conexão a uma distância de até três cômodos.
A duração da bateria é de 5 horas, embora o Google diga que pode durar até 24 horas com o estojo de carregamento sem fio. Em termos de som, eles têm ajuste dinâmico de volume, dependendo do seu ambiente.
O Google também enfatizou que eles pensaram muito sobre colocar todos esses componentes em um novo design — um vídeo durante a apresentação os descreveu como “computadores flutuantes”. Eles não têm exatamente tecnologia para cancelamento de ruído; o Google descreveu o recurso como “isolamento de ruído”. Basicamente, há uma pequena abertura para permitir a entrada de ar externo. Supostamente isso cria um Pixel Bud mais confortável, mas teremos que experimentá-lo para ver se isso faz sentido mesmo.
Infelizmente, os Pixel Buds não estarão disponíveis tão cedo. O Google disse que eles começarão a ser vendidos durante a primavera no hemisfério norte (entre março e junho) em 2020 com preço sugerido de US$ 180 (cerca de R$ 750).

Pesquisadores que desenvolveram a bateria de íon de lítio ganham o Prêmio Nobel de Química 2019

Pesquisadores que desenvolveram a bateria de íon de lítio ganham o Prêmio Nobel de Química 2019

O terceiro dia da semana de premiações em Estocolomo foi do Prêmio Nobel de Química 2019. John B Goodenough, M Stanley Whittingham e Akira Yoshino vão dividir o prêmio de quase US$ 1 milhão pelo desenvolvimento das baterias de íon de lítio.
Atualmente, essas baterias são utilizadas em uma série de dispositivos diferentes, de celulares e notebooks a até mesmo carro elétricos. Além de serem recarregáveis, elas são capazes de armazenar energia de fontes renováveis, como solar e eólica.
Segundo o Comitê do Nobel, o trabalho realizado pelo trio premiado “criou um mundo recarregável”, além de viabilizar a mobilidade da qual somos tão dependentes hoje.
John B Goodenough (à esquerda), M Stanley Whittingham (centro) e Akira Yoshino (à direita), vencedores do Prêmio Nobel de Química 2019. Crédito: Nobel Media 2019. Ilustração: Niklas Elmehed.
O britânico M Stanley Whittingham, atualmente com 77 anos de idade, começou a desenvolver tecnologias de energia que não dependessem de combustíveis fósseis na década de 1970, durante a crise do petróleo.
Em seus estudos, ele acabou encontrando um material rico em energia chamado dissulfeto de titânio, que ele usou para fazer um cátodo (que é o terminal positivo) em uma bateria de lítio. Já o ânodo, terminal negativo, foi feito a partir de lítio metálico, que tem uma forte preferência pela liberação de elétrons. O dispositivo criado por ele foi capaz de gerar dois volts, mas o lítio metálico tornou-o explosivo.
Foi então que John B. Goodenough, atualmente com 97 anos – sendo o homenageado mais idoso na história do Nobel – previu que o cátodo poderia ser melhorado se fosse feito de um óxido de metal, em vez de um sulfeto. Assim, em 1980, o americano nascido na Alemanha utilizou o óxido de cobalto para aumentar a potência da bateria para quatro volts.
Por fim, a última contribuição foi feita por Akira Yoshino, 71 anos, que criou a versão comercialmente viável da bateria de lítio em 1985. Ele substituiu o lítio do ânodo por coque de petróleo, um material de carbono que, assim como o óxido de cobalto do cátodo, consegue intercalar íons de lítio.
Esse trabalho colaborativo resultou em um componente de certa forma revolucionário para diversos setores. Como observou Bonnie Charpentier, presidente da Sociedade Americana de Química (ACS):
Diante das crescentes ameaças das mudanças climáticas extremas, o anúncio de hoje lança uma luz bem-vinda sobre a portabilidade de energia que permitiu avanços sem precedentes em comunicação, transporte e outras ferramentas, para auxiliar aspectos críticos da vida em todo o mundo.

Steam terá recurso que permite jogar online jogos multiplayer locais

Steam terá recurso que permite jogar online jogos multiplayer locais

Em um mundo perfeito, todo jogo multiplayer ofereceria suporte para partidas online. Mas se você é um desenvolvedor independente, com recursos limitados, sabe que às vezes não é viável adicionar o suporte adequado ao código , uma questão que o futuro “Remote Play Together”, da Steam, pretende solucionar.
Programado para ser lançado como parte de um teste beta em 21 de outubro, o novo suporte multijogador online da Steam é uma extensão do seu recurso Remote Play atual que permite transmitir jogos do seu PC doméstico para outros dispositivos pela internet ou por uma rede wi-fi local.
Tradução: Hoje, a nossa equipe anunciou outro novo ótimo recurso que será adicionado ao Steam: Remote Play Together. Isso vai permitir que amigos joguem jogos cooperativos locais pela internet como se estivessem juntos no mesmo ambiente.
De acordo com o designer de produtos Alden Kroll, da Valve, no Twitter, o Remote Play Together funciona da seguinte forma: a Steam transmite a tela do jogador host (ou “anfitrião”) para outros jogadores participantes enquanto captura os comandos do controle ou teclado e mouse dos usuários remotos, antes de enviar essas informações de volta para a máquina host. Dessa forma, mesmo os jogos que foram originalmente projetados como títulos multijogadores locais ou cooperativos de sofá podem funcionar online sem nenhum software ou patches adicionais (embora você precise considerar a latência adicional devido ao streaming).
Isso significa que, graças ao recurso Remote Play Together do Steam, jogos fantásticos que são apenas locais, como TowerFall Ascension, Samurai Gunn ou o Nidhogg original, poderão ser revividos, pois você não precisará mais ter todos os jogadores na mesma sala ou usar aplicativos de terceiros como o Parsec para obter a experiência multiplayer completa.
No entanto, Kroll também mencionou que o Remote Play Together foi projetado principalmente para jogos em tela compartilhada ou em tela dividida, como os mencionados acima, portanto, dependendo do título específico, alguns jogos podem ser mais adequados ao novo recurso multijogador online do Steam do que outros.

Assistências técnicas de celular movimentam 24 milhões de aparelhos por mês

Imagem de: Assistências técnicas de celular movimentam 24 milhões de aparelhos por mês

O mercado de conserto de celulares vem crescendo no Brasil, estima-se que uma média de 24 milhões de aparelhos cheguem às assistências técnicas todo o mês. A projeção é otimista para a área: com o encarecimento dos modelos e as poucas inovações tecnológicas apresentadas de uma geração de celular para outra, as pessoas tendem a investir mais na manutenção dos smartphones do que na obtenção de um novo.
André Cisp, dono de um dos principais cursos de manutenção de celular do Brasil, acompanhou a evolução desse mercado e projeta um futuro promissor. “Eu vejo uma grande evolução nos aparelhos celulares, cada vez mais eles aglutinarão funções de outros eletrônicos, como TVs e computadores. Além disso, a tendência é que as pessoas tenham mais de um celular, o que ajuda a desenhar um futuro promissor para a área de manutenção”, defende André.

Oportunidade para todos

Com a alta demanda este mercado se tornou uma opção para quem quer complementar a renda ou trocar de carreira: uma média de quatro clientes por dia é capaz de gerar um faturamento perto de R$4 mil por mês. Apesar de grande, este nicho de mercado apresenta concorrência alta. Para se destacar, portanto, é importante que o profissional da área tenha um diferencial.
Existem diversos cursos onlines que ensinam técnicas básicas de manutenção gratuitamente. Conectar esses cursos e oferecer um conteúdo transformador é o objetivo do Concell, maior congresso online sobre celulares do Brasil, que reúne os principais nomes desse mercado.
pixabayFonte: Pixabay
O evento acontece entre os dias 4 a 6 de novembro e oferece uma visão 360º sobre celulares: desde da história deste eletrônico, passando por um panorama do que será o celular do futuro e até como montar uma assistência técnica. “A ideia é que o participante possa, durante o Concell, conhecer a fundo o tema, tendo uma visão geral de como está e para onde anda o mercado mobile. Ao mesmo tempo, ele obterá conhecimentos práticos de manutenção, como trocar uma tela, por exemplo”, explica Gabriela Pederneiras, uma das organizadoras do evento.

Trump planeja aprovar venda de itens de empresas dos EUA para a Huawei, mas confusão ainda reina

Logo da Huawei na fachada da empresa.

O presidente dos EUA, Donald Trump, parece estar disposto a aliviar a tensão com a China e planeja emitir, em breve, licenças que permitam que algumas companhias norte-americanas forneçam produtos considerados “não sensíveis” à Huawei, segundo fontes familiarizadas com o assunto.
De acordo com os relatos,  a autorização para começar a emitir tais licenças foi sinalizada por Trump durante uma reunião na semana passada. As permissões serão concedidas apenas a algumas empresas selecionadas.
Em um e-mail ao The New York Times, um porta-voz do Departamento de Comércio dos EUA, responsável pelas licenças, disse que “até o momento, o status quo se mantém”.
Apesar da medida poder ser vista como um gesto de “boa ação”, seus efeitos práticos podem ser limitados, conforme aponta o jornal. Algumas empresas norte-americanas já vêm adotando estratégias para contornar o banimento imposto pelo governo e continuar a fornecer produtos para a Huawei.
Algumas fornecedoras, por exemplo, evitam identificar seus produtos como de origem norte-americana ou canalizam mais produtos fabricados fora dos Estados Unidos para a gigante chinesa.
Essa também não é a primeira vez que Trump promete liberar algumas empresas a continuarem a fornecer para a Huawei. Em junho deste ano o presidente dos EUA já havia dito o mesmo durante uma reunião com o presidente chinês Xi Jinping, causando uma confusão e oferecendo falsas esperanças.

Huawei, China e EUA

A Huawei está proibida de fazer negócios com empresas dos EUA desde maio, quando o presidente Donald Trump assinou uma ordem executiva que incluiu a companhia chinesa à chamada Lista de Entidades do Departamento de Indústria e Segurança (BIS, na sigla em inglês).
Essa foi a atitude mais drástica depois de anos de tensões. A Huawei foi acusada de fornecer equipamentos não confiáveis de telecomunicações e, por isso, proibida de fazer negócios com agentes do governo norte-americano.
Além disso, a empresa foi processada pelos EUA por roubo de segredos comerciais, fraudes e obstrução de justiça. Ela processou de volta, alegando que a proibição de negócios era inconstitucional sem o devido processo legal.
Outro ponto marcante da tensão foi em dezembro de 2018, quando a diretora financeira da empresa, Meng Wanzhou, foi presa no Canadá a mando dos EUA, sob acusação de violar sanções econômicas contra o Irã. Ela aguarda um processo de extradição para os EUA. Meng Wanzhou é filha de Ren Zhengfei, fundador da Huawei.
Vale lembrar que China e EUA estão em meio a uma guerra comercial desde 2018, com tarifas sobre importações sendo aplicadas.